Manifesto Cidadanista · Mandato Cidadanista
Apoie a campanha

Manifesto Cidadanista

5088, porque nossos sonhos são infinitos

Célio Turino – deputado federal

 

Numa mudança de época, plena de incertezas, com a democracia em crise, políticos e parlamentos tão distantes das causas públicas e do povo, com eleições e a própria politica sem credibilidade, não é demais acreditar na possibilidade de uma candidatura?

Afinal, para que serve um deputado federal?

Para contribuir na criação de agendas sociais, representar vozes sem expressão, valorizar iniciativas de mudança da sociedade e gerar propostas e projetos de politicas públicas necessárias para o país.

E o que indica o valor de um candidato, ou seja, se poderá corresponder às expectativas de seu eleitorado e da sociedade?

Poucas e substanciais questões: o seu caráter, a sua história, a experiência e método de trabalho, o compromisso, as propostas que orientam a sua intervenção, e a capacidade de liderar e aglutinar pessoas que compartilhem os mesmos ideais.

A partir dessas premissas, Célio Turino liderou a criação do coletivo cidadanista, cuja potência permite então buscar a concretização de objetivos comuns. Nasceu daí o Mandato Cidadanista, com Célio Turino como candidato a deputado federal pelo PSOL, com 13 codeputadas e codeputados (oito mulheres e cinco homens). E assim está sendo gestado um novo modelo de mandato parlamentar: compartilhado, comunitário, transparente, inclusivo, diverso e comprometido com o Bem Comum. Uma forma de ação política que proponha e convença através do diálogo franco e corajoso; que busque representar e obedecer a vontade do povo com humildade; para servir em benefício da sociedade, sem jamais servir-se.

O Mandato Cidadanista se fundamenta em um modelo de governança inovador, estabelecido no Pacto Cidadanista, e em uma Carta de Princípios, buscando lutar para tornar o Brasil um país melhor, baseado na cultura da paz e da não violência e de uma cidadania planetária.

Turino é um homem a abrir caminhos, por isso a presença dele no Congresso Nacional é indispensável, imprescindível. Isso porque ele reúne em seu caráter qualidades de um modo ético de viver com simplicidade, coragem, acolhimento, amorosidade e gentileza.

A sua experiência é extraordinária: desde a resistência à ditadura militar na clandestinidade, ou quando participou do Movimento Estudantil, secundarista e universitário, Movimento contra o Custo de Vida (1979/81) Comitê Brasileiro de Anistia (1977/79), Solidariedade às Greves Operárias (1979/81), Movimento de Defesa da Amazônia (1980/82), fundação da CUT (1983), Diretas Já! (1984). Quando Secretário de Cultura em Campinas (1990-1992), concebeu inúmeros projetos e ações que, à época, transformaram a cidade de Campinas em referência nacional em políticas públicas de cultura. Na cidade de São Paulo foi gestor de politicas públicas de cultura como o projeto Recreio nas Férias, que no início dos anos 2000 beneficiava 200.000 crianças e jovens por edição. Ainda mais: os Agentes Jovens de Lazer, a rede de Brinquedotecas em São Paulo, as Ruas de Lazer e o Mais Esporte, para 30.000 crianças e adolescentes na periferia de São Paulo. Além, é claro, da criação dos Pontos de Cultura/Programa Cultura Viva, com Cultura Digital e Oficinas de Conhecimentos Livres, Griôs, Escolas Vivas, Pontinhos de Cultura para o lúdico e a infância, Cultura e Saúde, Economia Viva e Solidária, Interações estéticas entre artistas e comunidades e Teias da Cultura brasileira.

Suas ideias ganharam o Brasil e o mundo. No Brasil, durante sua gestão como Secretário de Politicas Culturais do Ministério da Cultura, entre 2004 e 2010, além de mudar o paradigma das politicas públicas levadas até então, criando 3.500 Pontos de Cultura, distribuídos em 1.100 municípios, beneficiando mais de oito milhões de pessoas e gerando 30.000 postos de trabalho, segundo dados do IPEA. Depois suas ideias se expandiram pela América Latina, num movimento de aproximação dos povos em redes latino-americanas da Cultura Viva Comunitária, e hoje são adotadas em duas dezenas de países. Por tudo isso, desde 2015, o Papa Francisco o convida para uma parceria para efetivar politicas públicas de alcance global, pela Cultura do Encontro e implantação de programa para AGENTES JOVENS DA COMUNIDADE.

O que agora se propõe para um Mandato Cidadanista é que ele esteja a serviço e em conexão vital com a cultura da vida e o reencantamento do mundo. O método de pensamento e ação assenta-se na Ação da Cidadania, como propugnava Herbert de Souza, nosso querido Betinho, na não violência e na cultura de paz, buscando sempre escutar para compreender. Uma forma generosa de fazer política, com olhar ainda mais cuidadoso para os vulneráveis, principalmente as comunidades originárias indígenas, negros, mulheres, LGBT e crianças e jovens das periferias. Um olhar e uma ação para as maiorias, para os explorados, os esquecidos, os desvalidos. Um olhar para o povo brasileiro.

O compromisso do Mandato Cidadanista está claro: é com as forças de mudança, com a cidadania, com a comunidade da vida, com a cultura viva que clama por um país verdadeiro, inteiro, plural e com rosto de país, e não uma cópia piorada dos modos de vida dos colonizadores. Seu compromisso é com o Brasil e os brasileiros, postos em convivência e harmonia, nunca com o mercado que vende produtos e almas, à imagem e semelhança de um mundo global que já esgota seus ideais de vida. Por isso é firme nas questões de princípio do contexto nacional e civilizatório, sem jamais vacilar na defesa da democracia e na resistência às injustiças, defendendo a ética e combatendo a corrupção, não como um espetáculo, mas como compromisso de vida. A partir de seus modos de vida e da sua cultura, bases para o Bem Viver e a equidade, o Mandato Cidadanista busca “desesconder” o Brasil dos próprios brasileiros e do mundo. Pode-se sintetizar que o grande Pacto Cidadanista é com a equidade, a ética e a cultura da vida.

Os Kaxinawá, habitantes das redondezas do Rio Juruá, terras visitadas por Célio Turino, usam a palavra Txai para saudar o outro, que quer dizer “metade de mim em você, metade de você em mim”. E por onde Turino passa ouviremos sempre vozes de tambores, sons primordiais, ondas de contentamento, sonhos em formação, cantos ancestrais, vidas que se reencontram, mundos de várias cores, vazios preenchidos com a vitalidade das pessoas simples e emotivas, com seres que buscam na sua energia mais singular o reencantamento das suas vidas e do nosso Brasil. Por isso estamos juntos, porque “metade de nós está em vocês e metade de vocês está em nós”.

Vem bem viver com o Mandato Cidadanista!!!!

São Paulo, agosto de 2018.

***

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *